,

A VIRGEM MARIA, BELEZA SINGULAR E “OBRA PRIMA” DA CRIAÇÃO DE DEUS

O fundamento da espiritualidade cristã é a Palavra, e para conhecer a Virgem Maria é também fundamental conhecer a Sagrada Escritura. É a partir da Escritura que podemos falar de Maria, mas podemos também haurir da fonte dos estudos dos Santos Padres, Doutores, as liturgias da Igreja sob a direção do Magistério, onde explicam corretamente a tarefa e os privilégios da Santíssima Virgem, que sempre tem por finalidade o Cristo, origem de toda a verdade, santidade e piedade. 

Com grande desvelo, Deus cria o universo nos dando tudo o que é bom, belo, perfeito, mas o ápice da sua criação foi o homem e a mulher, que fez deles “à Sua imagem e semelhança”. São eles os destinatários, que se beneficiam das maravilhas da criação de Deus, o ser humano, o único “capaz de conhecer e de amar o seu Criador. Tudo o que Deus cria é belo e bom, repleto de sabedoria e de amor; o gesto criador de Deus traz ordem, incute harmonia e confere beleza”. Assim também, Deus amou tanto a Virgem Maria que fez por ela tudo o que podia fazer de grande e maravilhoso. 

Maria “é prova do quanto Deus foi longe, na história da salvação, em termos de generosidade, delicadeza e engenho” (Clodovis, 2004, p. 22). Em Maria a graça foi “superabundante” (Rm 5,20). É realmente, depois de Cristo, a “obra-prima” da criação de Deus. A criação encontra sua razão de ser na Trindade, em que Deus se revela à sua criatura “Eu sou aquele que sou” (Ex 3,14), Deus é amor (1 João 4,8.16).  Deus é amor por essência. Deus é eterno amor. Deus é o Sumo Bem e o Bem por sua natureza tende a expandir-se, portanto, Deus cria o universo para fazê-lo participante do seu amor, e o universo é a manifestação do amor divino.  

Escreve poeticamente Efrém, o Sírio: “Como os próprios corpos pecaram e morrem e a terra, sua mãe, é maldita (Gn3, 17-19), assim por causa deste corpo que é a Igreja incorruptível, lá sua terra é abençoada desde o inicio. Esta terra é o corpo de Maria, templo no qual foi lançada uma semente”, (Diastessarom 4,15: SG. 121,102). Portanto, Maria é o lugar mais bonito da criação, é a terra abençoada. Quis, pois Deus que a encarnação fosse precedida pela aceitação daquela que era predestinada a ser a Mãe de seu Filho. Em Maria, o Espírito Santo encontra morada e com a sua correspondência à graça, com o seu sim ao anúncio do anjo, a vida trinitária entra na sua alma, no seu coração e no seu seio, “Eis a serva do Senhor; faça-se em mim segundo tua palavra” (Lc 1,38). Cristo e a Igreja foram formados pela terra que é Maria. O apologista Justino do séc II, em seu dialogo com o Judeu Trifão, aplica o Sl 21 a Cristo, afirmando que ele é Filho de Deus antes de toda a criação, e que “se é por intermédio de uma virgem que ele se fez homem foi no desejo de que, pela mesma via em que a desobediência, oriunda da serpente, teve o seu principio, encontre igualmente a solução. Com efeito, Eva, sendo virgem e incorrupta, deu luz à desobediência e à morte pela palavra saída de sua boca da serpente. Maria, a Virgem, ao contrário, concebeu fé e alegria, no momento em que o anjo Gabriel lhe deu a boa notícia de que o Espírito do Senhor viria sobre ela e o poder do Altíssimo a cobriria com sua sombra, de modo que o Santo, que seria dado à luz por ela, seria o Filho de Deus”. 

Cristo é o revelador do rosto do Pai, é o único mediador entre Deus e o homem. Maria é a filha predileta do Pai e em consideração pelos méritos de Cristo Jesus, ela foi redimida e preservada de modo mais sublime e singular que toda a criatura humana. Maria está estreitamente unida a Cristo com um vinculo indissolúvel, por sua dignidade de ser a Mãe do Filho de Deus, por sua íntima participação nos mistérios salvíficos de Cristo. A relação de Maria com a Trindade chega a ser princípio e modelo da relação de cada homem com Deus. Maria é, pois o modelo e referência para toda a Igreja. Ponto de referência para uma vida evangélica, de esforço ao querer de Deus, peregrina na fé, discípula fiel e de obediência constante. “A verdadeira devoção a Maria não consiste nem num sentimentalismo estéril e transitório, nem numa vaga credulidade, mas que procede da fé autêntica, que nos induz a reconhecer a excelência da Mãe de Deus, que nos impulsiona a um amor filial para com nossa Mãe e à imitação de suas virtudes” (Curso de Mariologia pela Universidade Antonianum). O Papa Paulo VI disse: “Se quisermos ser cristãos, devemos ser marianos”. Quer dizer que por Maria nos é aberto o caminho que conduz a Cristo Jesus. Esse caminho é o itinerário da beleza de um ‘sim’ que muda o curso da história.

Irmã Maria Cecília OIC.

Mosteiro da Imaculada Conceição e São José de Fortaleza-CE.