s antonio24Não se pode negar a importância que teve para Antônio a passagem pelos mosteiros dos agostinianos, tanto em Lisboa quanto em Coimbra. Dificuldades não faltaram, mas também as oportunidades para uma formação espiritual e teológica que o firmaram na fé e no amadurecimento para futuras decisões são inegáveis. E o nosso santo tem consciência disso e sabe ser agradecido àqueles que o ajudaram a percorrer esse caminho. Mas a vida no mosteiro de Santa Cruz estava limitada demais para alguém que se caracteriza pela “inquietação evangélica”. E essa inquietação aumenta quando chega a Portugal, no ano de 1217, o sopro renovador e missionário do movimento religioso iniciado por Francisco de Assis, e que nem tinha dez anos de existência. Os franciscanos estavam presentes em Coimbra e em Lisboa.

O modo de vida, marcado pela pobreza, simplicidade e proximidade do povo marcava a presença dos irmãos menores. Dois anos mais tarde, em 1919, São Francisco enviou em missão entre os maometanos cinco frades, Berardo, Pedro, Oto, Adjuto e Acúrsio. Foram anunciar o evangelho entre os sarracenos em Servilha, Espanha, dominada por eles. Lá foram condenados à morte, mas receberam indulto de liberdade e expulsos do país. Mas insistentes foram para o Marrocos e lá sofreram o martírio, sendo decapitados no dia 16 de janeiro de 1220. Seus corpos foram levados para Portugal e sepultados no mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, onde morava Santo Antônio.

O testemunho dos frades mártires e a proposta de vida evangélica lançada por Francisco de Assis a toda a Igreja, mexeu com Antônio que pediu para sair do mosteiro e ir para o Ordem dos Frades Menores. Foi difícil receber a autorização do superior mas Antônio conseguiu. Diz-se que um dos cônegos despediu-se de Antonio dizendo, certamente com ironia: “Vai, pois, vai, agora podes enfim tornar-te santo!” Também dizem que Antônio respondeu: “Se acaso ouvires alguma vez que eu me tornei santo, então louva o Senhor Deus”. Tinha razão, Antônio será o “santo do mundo inteiro” e vai se santificar no contato diário com as pessoas, ajudando-as a encontrar em Deus o sentido para viver e para enfrentar os desafios da vida. A vida de Antônio não foi fácil, mas jamais procurou as facilidades deste mundo, sabia que o caminho do Senhor é estreito e é nele que caminhamos para a verdadeira felicidade.