,

Partilha de Dom Frei Beto Breis, OFM sobre o tema do Capítulo e seu reencontro com a Fraternidade

Podemos constatar nestes dias como presença animadora e frutífera, do Bispo de Juazeiro da Bahia, Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM. Este irmão contribuiu para a profundidade da reflexão do tema: “Amar, confiar e comprometer-se” e subtema: “Reconhece a tua vocação” (1Cor 1,26) cessem as palavras e falem as obras (Santo Antônio de Pádua). Os frades foram conduzidos a refletir acerca da realidade atual da Província e do contexto social e histórico ao qual nos encontramos. Faz-se necessário que estejamos atentos à prática de refletir nossa ação diante da realidade em que estamos. Em suas palavras ele diz “as vezes corremos o risco de estudar a história e não fazer história (…) Deus fala na história e através da história”.

O Frade Menor é convidado a ser uma presença que se importa com a realidade, especialmente dos mais necessitados, bem como considerar a realidade histórica com olhar mais profundo “O que é exigido de nós é o olhar da fé, para vislumbrar a Deus”.  Neste tempo de pandemia é necessário enxergar como a vontade do Senhor se manifesta para nós, o que Deus nos fala na história e através da mesma.

Fomos todos surpreendidos em nossas fragilidades e insegurança, antes desta crise sanitária do COVID 19, mas com certeza é neste momento de crise que podem surgir atitudes de desconstrução de velhas atitudes, ideias, costumes enfim muitas coisas que não são essenciais para a vida do Frade Menor, que são secundárias, supérfluas e começamos a enxergar e valorizar as questões e coisas que antes não eram importantes ou não enxergávamos. É preciso valorizar “o que de fato é essencial na nossa opção de vida de Frades Menores” como nos aponta Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM. Achamos que a crise surgiu no ano de 2020, porém se fizermos um exame mais aprofundado da sociedade e de nós mesmos perceberemos que “nós vivemos em um tempo de crise e ela já vinha a muito tempo”.

É claro que ao constatar tal fato nos incomoda e nos constrange, pois o isolamento social nos proporcionou fazer este mergulho profundo em nossas fragilidades e, de fato nos constrange perceber tais fragilidades. Porém, é necessário enxergá-las e reconhecê-las e perceber a ação de Deus que fala na história e através da história, pois como o nosso assessor expôs “Deus com todos nossos constrangimentos pode nos fazer o Kairós”.

A importância destes dias fortes para toda a Província neste tempo da Epifania do Senhor nos inspira, pois como nos recordou Dom Frei Carlos Alberto, OFM “se o Capítulo é tempo de Ler a regra, deixemos nos encantar pelo mistério do natal Deus que entra na história frágil e vulnerável. Pois, ele assume nossa fragilidade, e o presépio é sinal da humildade de Deus”. A nossa espiritualidade nos anima a traduzir os desafios deste tempo e é importante enxergar através desta dimensão nestes dias de Capítulo que “é a oportunidade de voltar as origens e redescobrir a beleza de ser Frade Menor”.

Quando percebemos esse tempo de crise sanitária em que vivemos, as dificuldades de dar respostas a tantas questões que nos circundam, e interiormente como nos apontou o assessor, parece que nestes tempos vivenciamos o silêncio de Deus, porém “Deus se cala mas não se ausenta”, isso para que descubramos neste silêncio a sua face misericordiosa e voltemos o olhar para ele. Também “neste tempo de vulnerabilidade e de silêncio de Deus, é tempo de ver o que é essencial”, por isso “é tempo de Kenosis” ou seja de esvaziamento da vontade própria, de despojamento, para a aceitação do desejo divino de Deus. Inspirado no despojamento e humildade de Jesus Cristo.

Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM nos recordou o discurso do santo padre durante a visita ao campo de concentração de Auschwitz-Birkenau em 28 de Maio de 2006,

“Quantas perguntas surgem neste lugar! Sobressai sempre de novo a pergunta: Onde estava Deus naqueles dias? Por que Ele silenciou? Como pôde tolerar este excesso de destruição, este triunfo do mal? Vêm à nossa mente as palavras do Salmo 44, a lamentação de Israel que sofre: “… Tu nos esmagaste na região das feras e nos envolveste em profundas trevas… por causa de ti, estamos todos os dias expostos à morte; tratam-nos como ovelhas para o matadouro. Desperta, Senhor, por que dormes? Desperta e não nos rejeites para sempre! Por que escondes a tua face e te esqueces da nossa miséria e tribulação? A nossa alma está prostrada no pó, e o nosso corpo colado à terra. Levanta-te! Vem em nosso auxílio; salva-nos, pela tua bondade!” (Sl 44, 20.23-27). Este grito de angústia que Israel sofredor eleva a Deus em períodos de extrema tribulação, é ao mesmo tempo um grito de ajuda de todos os que, ao longo da história ontem, hoje e amanhã sofrem por amor de Deus, por amor da verdade e do bem; e há muitos, também hoje”. (BENTO XVI)

Também surgiu o questionamento: se os pobres tem lugar em nossa vida e missão, se estamos buscando ser pobres com os pobres e quem são os pobres? É preciso buscar a atitude do bom samaritano, e não a cultura da indiferença, também neste tempo de isolamento precisamos perceber qual nossa relação fraterna com o nosso próximo pois “o pior isolamento não é o físico mas, o afetivo” pois para a nossa espiritualidade Franciscana nós “devemos reconhecer que a fraternidade é o lugar teológico(…) e o primeiro e mais crível anúncio do Evangelho”.

Diante de tais reflexões nos inspiramos a continuarmos perseverantes no caminho de Frades Menores, buscando em atitudes de discípulos e aprendizes que seguem a voz e o desejo do Senhor, recordando as palavras de Frei Francisco Gonçalves, OFM que em sua homilia na Santa Missa desta quarta-feira (06/01/2021) em gratidão a Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM “que com sua sabedoria e dedicação, mas com sentimento de pertença a esta fraternidade Provincial, nos comunica uma palavra iluminadora para estarmos motivados”.

 

Confira a entrevista abaixo com o Dom Carlos Alberto Breis, OFM

 

Equipe Provincial de Comunicação

Texto: Frei Mendelson Branco da Silva, OFM
Fotos: Frei Lorrane Clementino, OFM
Edição: Frei Roberto Alves, OFM

 

Referencia:

BENTO XVI. VIAGEM APOSTÓLICA DO PAPA BENTO XVI À POLÓNIA: DISCURSO DO SANTO PADRE DURANTE A VISITA AO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DE AUSCHWITZ-BIRKENAU. [S. l.], 28 maio 2006. Disponível em: http://www.vatican.va/content/benedict xvi/pt/speeches/2006/may/documents/hf_ben-xvi_spe_20060528_auschwitz-birkenau.pdf. Acesso em: 6 jan. 2021.