,

FREI JOSÉ MILTON, HÁ SETE DIAS JUNTO DE DEUS: CONHEÇA UM POUCO DE SUA HISTÓRIA DE VIDA

Filho de Heriberto Coelho e Inês Azevedo Coelho, Frei José Milton Azevedo Coelho nasceu a 19 de outubro de 1934, em Bezerros-PE. Os primeiros anos escolares ele fez na sua terra natal. Em 1946 ingressou no Colégio Seráfico Santo Antônio de Ipuarana, em Lagoa Seca-PB. Em 1947 integrou a primeira turma que inaugurou a Escola Apostólica de São Boaventura, em Triunfo-PE. Após completado aí o curso primário, retornou ao Colégio Seráfico de Ipuarana no ano de 1949. Aí concluiu o curso de Humanidades.

Ingressou no noviciado em Sirinhaém-PE em 14 de agosto de 1955. Professou os primeiros votos na Ordem dos Frades Menores aos 15 de agosto de 1956. Cursou Filosofia no Instituto Franciscano de Olinda e Teologia no Convento São Francisco de Salvador-BA. Professou os votos solenes a 15 de agosto de 1959 e foi ordenado presbítero aos 22 de julho de 1961.

Lecionou pelo tempo de nove anos no Seminário de Ipuarana. Durante a sua vida exerceu atividades em vários lugares. Em 1973 foi transferido para Fortaleza e por três anos se dedicou ao trabalho paroquial. Foi no tempo do pastoreio arquidiocesano do Cardeal Dom Aloísio Lorscheider. Em 1976 foi nomeado Vigário de Campo Grande, no Recife-PE, e aí, por nove anos trabalhou pela renovação pastoral. Era o tempo do pastoreio de Dom Hélder Câmara.

Trabalhou em Ipojuca-PE por mais de dois anos, de 1985 a 1987. Residiu novamente em Olinda onde permaneceu até ser transferido para Penedo-AL, no ano de 2000. Em 2003 foi nomeado superior do Convento São Boaventura de Triunfo e também Vigário, mas dois anos depois renunciou e foi transferido para Ipuarana.

Em 2006 recebeu transferência para a casa do Noviciado em Ipojuca-PE e aí contribuiu com a formação dos noviços e na cooperação da Paróquia de São Miguel. De Ipojuca, foi transferido em 2012 para Olinda-PE e em 2019, já com a saúde um pouco debilitada, para Recife-PE onde realizou sua páscoa aos 09 de outubro de 2020.

Em vida, publicou vários livros, entre os quais têm-se “Padre Guedes, o Dom Bosco dos Peixinhos” (2006), “Poeira encantada” (2008), “Saburá, o doce-amargo da saudade” (2011), “De volta as raízes – Apontamentos Genealógicos de algumas Famílias de bezerros e do Agreste Pernambucano” (2011), “Frei Casimiro, o apóstolo dos mocambos da memória à profecia” (2013).

 

Secretaria Provincial