,

FREI FAUSTINO DOS SANTOS PARTICIPA DO DIA NACIONAL CONTRA A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA NA SINAGOGA KAHAL ZUR ISRAEL

Às 9h30 minutos, na Sinagoga Kahal Zur Israel, primeira sinagoga das Américas, localizada na Rua do Bom Jesus da cidade de Recife-PE, vários líderes religiosos se reuniram por iniciativa do Fórum Diálogos pela Diversidade Religiosa de Recife (de 07 anos de existência) para juntar forças contra as várias formas de intolerância religiosa.

A anfitriã judia, Ida Katz, disse que após o infeliz pronunciamento do ex-ministro da cultura do atual governo, Roberto Alvim, que fez um discurso, divulgado no dia 16 de janeiro de 2020, semelhante ao do ministro de Adolf Hitler da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbels, era necessário que esse encontro se realizasse na sinagoga porque isso trás a tona todo massacre que o povo judeu, bem como gays, deficientes e outros sofreram com o holocausto.

Os líderes presentes expressaram a alegria do encontro e, em suas falas, de diferentes modos, falaram da adesão à paz entre e para além das religiões. Frei Faustino dos Santos, frade franciscano, esteve presente no evento e no momento de sua fala, evocando a imagem de São Francisco de Assis, disse que é necessário a cada religião se rebaixar à altura do olhar do outro para poder se permitir curar do mal do preconceito e da discriminação que se tem frente ao outro.

No começo e no final do encontro houveram duas danças coordenadas pelo representante da Dança pela Paz Mundial. A primeira ocorreu dentro da Sinagoga mesmo, a segunda, na rua do Bom Jesus. Na ocasião os representantes do Hare Krhisna ofereceram o alimento sagrado.

Ainda foi feito um “Convite para a aventura do diálogo” conforme segue:

Aqui no Recife, há sete anos, nós, irmãos e irmãs de várias tradições religiosas diferentes, nos reunimos no Fórum Diálogos – Fórum da Diversidade Religiosa em Pernambuco – e temos acompanhado uma dura realidade de preconceitos e discriminações que ainda existem entre as religiões. No entanto, temos principalmente criado entre nós e entre nossas comunidades um vínculo forte e profundo de amizade e colaboração, que vai além de tudo aquilo que poderia nos dividir.
Por sua Constituição, o Brasil é um país laico e aberto a todas as tradições religiosas. Queremos valorizar e defender o caráter laical e pluralista do nosso país. A nenhuma tradição espiritual pode interessar um Brasil católico, pentecostal ou dominado por qualquer confissão religiosa. A defesa da Constituição já nos leva a ver como crime qualquer ataque ou desrespeito a uma comunidade religiosa. Infelizmente, em tempos mais recentes, em vários continentes, e também no Brasil, tem se espalhado um clima de intolerância e discriminação ao diferente e às minorias sociais. Em todo o mundo, têm aumentado sinais de preconceito contra judeus, assim como, em alguns países, contra muçulmanos, confundidos com fundamentalistas radicais. Entretanto, no Brasil, as discriminações e atos de intolerância têm sido principalmente contra comunidades de matriz africana. O mais escandaloso é que esses ataques são perpetrados por pessoas e grupos que se dizem cristãos e pensam agir em nome de Deus.
Como membros de diversas religiões e caminhos espirituais, reafirmamos que se Deus existe, só pode ser em Amor, Misericórdia, Compaixão, Harmonia e Beleza.
Compreendemos que, hoje, a idolatria a ser combatida e superada é a divinização do mercado a serviço de sociedades anônimas que escravizam os pobres e destroem a Terra. Por isso, convidamos vocês a se unirem a nós no esforço de sempre testemunhar que o projeto divino para o mundo é de paz, justiça e comunhão entre a Natureza Planetária e a Coletividade Humana.

Membros integrantes do Fórum Diálogos, em 21 de janeiro de 2020.

Que a paz que é a bandeira de todas as religiões, não seja trocada pelas armas que promovem a guerra, a intolerâncias ou outras formas de violência.