,

PENEDO E RIOS VIVOS: UMA AÇÃO FRANCISCANA EM PROL DA VIDA DO RIO SÃO FRANCISCO E DOS RIBEIRINHOS

A Província Franciscana de Santo Antônio por meio do Serviço de Justiça, paz e Integridade da criação, abre oficialmente o evento Penedo e rio Vivos na manhã deste dia 21 de março, para celebrar o Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março. Por meio de diversas ações de conscientização, preservação e sensibilização sobre a realidade atual do rio, os frades residentes em Penedo juntamente com a OFS e JUFRA se mobilizam pela cidade com o intuito de dar visibilidade a difícil realidade pela qual passa o rio. O evento está tendo cunho inter religioso, tendo em vista que o cuidado do rio é de preocupação de todas as pessoas e religiões, por isso irmãos de outras profissões de fé estão participando conosco.
Pela manhã os frades estiveram na Escola Estadual Ernani Méro refletindo com algumas turmas sobre a situação degradante no qual se encontra o rio. Foi interessante perceber os questionamentos e o envolvimento de alguns estudantes, principalmente os que tem alguma ligação com os pescadores da cidade. “O rio hoje é a única fonte de renda dos meus pais” afirmou um dos alunos. Podemos ter clareza de que O Rio São Francisco gera uma renda extraordinária para o país através das atividades econômicas que proporciona, desde a mineração e a agricultura nos seus diversos níveis e modalidades, passando pela geração de energia, pesca artesanal, aquicultura e o turismo, para citar apenas alguns dos usos múltiplos de suas águas.
Ao refletirmos a realidade dos cuidados para com o rio por parte dos poderes públicos foi preocupante ouvir de uma das professoras presente no auditório que, morando 47 anos na cidade de Penedo, nunca ouviu sobre nenhum projeto de revitalização ou cuidado do rio por parte dos poderes públicos. Atualmente não existe um saneamento básico que vise o cuidado do rio, com isso todos os esgotos e dejetos de parte da cidade descem para o rio gerando um nítido desiquilíbrio ecológico sendo considerada hoje a principal fonte de poluição das águas do Rio São Francisco e isso causa problemas, sobretudo, para as captações das empresas estaduais ou municipais de abastecimento de água para consumo humano. Há, porém, outros impactos negativos associados ao lançamento de esgotos, a exemplo da proliferação descontrolada de plantas aquáticas que diminuem o teor de oxigênio das águas afetando a ictiofauna, por exemplo.
A noite nos reunimos no salão do convento para refletir e debater sobre a realidade a partir de um pescador com a presença do Fagner Matias, um dos vereadores da cidade, professores e estudantes. Ao afirmar que “Tem período que a gente passa fome, o Ibama não permite pescar em certa época do ano” foi na reflexão que o rio já não tem a mesma força de antes. “O mar está invadindo, o rio está sem força. Já encontramos peixe de água salgada dentro do rio. Já chegamos a encontrar até tartarugas algumas vezes.” O Vereador presente afirmou que o rio é uma preocupação da câmara e que já se tem clareza de que a forma mais concreta de cuidar é pela revitalização, das matas ciliares, do tratamento do esgoto da cidade que desce para o rio, e de conscientização e educação ambiental efetiva em toda cidade, principalmente nas escolas.
Por fim, finalizamos o momento cantando a oração de São Francisco, e fortalecidos para cobrar dos poderes públicos desta cidade respostas concretas para preservação de nosso rio. Hoje daremos continuidade ao movimento pela manhã em mais uma Escola Estadual, e a noite no salão do convento com a reflexão a partir do filme Espelho D’Água, com debate entre os jovens.
Paz e Bem! Asè! Awerê

Frei Erick Ramon, OFM