,

NO DIA DE SÃO FRANCISCO REAFIRMAMOS O NOSSO COMPROMISSO DE IRMÃOS E MENORES

O documento da Ordem “Pobres e Menores” (2016), narra uma pequena história que vale a pena retomar: Um aldeão ao se encontrar com Francisco perguntou: “Tu és Francisco de Assis”? São Francisco respondeu que sim. “Então te esforça, disse o aldeão, por ser tão bom como és tido por tanta gente, pois muitos tem grande fé em ti. Então eu te admoesto que em ti não haja outra coisa senão o que o povo espera.”

A resposta ao chamado de Deus pelos passos de Francisco de Assis deve ser assumida com autenticidade e de modo perene. Ainda que sejamos herdeiros de estruturas centenárias que muitas vezes nos pesam e preocupam, não podemos cair no pecado do comodismo. Devemos fazer dessa herança um motivo a mais de inquietação, afim de torná-las serviço à vida fraterna e missão, e sobretudo, serviço aos pobres, nossos irmãos e preferidos do Senhor.

Faz parte do nosso testemunho a opção pela vida, e não podemos estar tranquilos enquanto houver ameaça à ela nos seus mais diversos âmbitos. A desigualdade, a injustiça, a violência, a marginalidade são as chagas que alcançam muitos dos nossos irmãos do mundo, das quais devemos nós ser os cuidadores. Porém, para termos essa sensibilidade com nossos irmãos sofredores, nos é exigido um olhar otimista e solidário com o mundo, como teve nosso irmão e pai Francisco.

Celebrar a Festa de São Francisco é motivo de grande alegria, mas é também ocasião oportuna para reafirmarmos nosso compromisso com os irmãos menores do mundo. Somos exigidos a ter alegria de Francisco, a cuidar da criação e se irmanar com ela. A atualizar no presente a vida do pobrezinho de Assis, que com seu testemunho encanta o mundo na simplicidade, despojamento, penitência, vida de oração. Tudo por amor a Jesus e ao seu projeto.

Que o Pai Seráfico São Francisco, interceda a Deus por todos nós para que sejamos outros Franciscos no mundo que é carente de justiça e paz.

E nós, como irmãos menores, nos esforcemos para sermos instrumentos de paz e bem nas nossas fraternidades e na missão que o Senhor nos confiou. Que façamos sempre coisas santas, justas, honestas e úteis para o bem dos irmãos e do povo de Deus.

Que o Senhor nos conduza.

Fraternalmente,

Frei João Amilton dos Santos, OFM