,

LITURGIA DOMINICAL – OS QUE SE APROXIMAM DE JESUS SÃO ATRAÍDOS PELO PAI

Irmãos e irmãs paz e bem!

Estamos no mês vocacional. Celebramos o 19ª domingo do Tempo Comum e acompanhando este mês especial o dia dos pais. A liturgia nos apresenta para leitura e reflexão o Evangelho de João 6, 41 – 51 e as leituras 1Reis 19, 4-8 e Efésios 4,30-5,2. Vamos perceber que estas passagens bíblicas estão em sintonia com o que foi refletido nos dois domingos anteriores, seguem coerentemente seu núcleo central Jesus o Pão da vida.

O Evangelho mostra que Jesus continua o discurso sobre o Pão da Vida agora a um grupo de Judeus mais específico que murmurou contra o Senhor por Ele afirmar ser o pão vivo decido do céu: “Eu sou o pão que desceu do céu”. Tal murmuração faz lembrar os antepassados que no deserto murmuraram diante da escassez de alimento e de água (Ex 16,2; 17,3), e por falta de confiança na Palavra do Senhor (Sl 106, 24-25). Jesus é o Enviado do Pai, e faz conhecer a Deus pelo mistério da encarnação.

Os que se aproximam de Jesus são atraídos pelo Pai. A esperança da vida além dos desafios e limites humanos é uma realidade vivida desde agora em Cristo, cuja vida leva ao Pai. O que anunciaram os profetas sobre as promessas de Deus realiza-se em Jesus que revela o Pai à humanidade. Podemos dizer que quem encontra Jesus vê Deus e tem a vida eterna, pois Jesus mesmo disse “Sou eu o Pão da Vida” (Jo 6,35,48) o alimento que faz permanecer em Deus e seguir firme no caminho da justiça e da fraternidade. A vida de Jesus é doada em alimento para a salvação da humanidade.

As duas outras leituras mostram a atenção de Deus aqueles que são chamados para uma missão. Em 1 Reis,  Deus prover o profeta Elias com pão assado e água que lhe dá forças para andar por quarenta dias, fato que faz alusão aos quarenta anos do povo hebreu no deserto, alimentado pelo maná e pela água tirada da rocha. A segunda leitura Efésios sugere o exemplo de Cristo, que nos amou e deu a sua vida por nós como oferenda agradável a Deus, como apelo para vivermos o amor, bondade, compaixão e o perdão. Assim a entrega de Jesus é uma exigência para o discipulado. Compreender a palavra de Jesus quando fala de pão é aceitar fazer o mesmo percurso feito por Ele, posicionar-se diante do mal que aflige o mundo e contribuir de alguma forma para que a vida prevaleça sobre a morte.

Por fim o Evangelho faz menção que Jesus é o filho de José. Esta reflexão feita pela comunidade joanina aponta aos pais sua especial vocação: prover os meios indispensáveis para uma vida digna para seus filhos e filhas incluindo o que é necessário para a vida em plenitude, que é o caminho do seguimento de Jesus, o caminho do discipulado.

 

Frei Francisco Robério Ferreira de Sousa, OFM