,

A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA PERDE SUA LÍDER NACIONAL

A população em situação de Rua chora a perda da líder nacional, faleceu na tarde dessa quarta feira (25/04) Maria Lucia Pereira Santos aos 51 de idade, dos quais 16 foram vividos nas ruas. A causa da morte foi Infecção generalizada.

Sua vida tornou se conhecida pela luta em favor da população em Situação de Rua, onde colocava as suas opiniões de forma precisa em busca de politicas públicas para aqueles que mais necessitam.

Por cerca de oito anos coordenou o Movimento População de Rua em Salvador, onde foi idealizadora juntamente com um grupo de amigos da rua e outros parceiros. No mesmo ano em julho de 2010, O Convento São Francisco, que fica no Pelourinho em Salvador, cedeu o espaço do antigo refeitório dos podres, assim o Movimento adquiria sua sede própria.

Em sua trajetória de trabalhos em favor do Povo que vivem nas ruas destaca se: Projeto de Economia Solidária, agente social do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População de Rua; monitora das violações de Direitos Humanos das Pessoas em Situação de Rua; auxiliar administrativa no Projeto Levanta-te e Anda; palestrante de Uso Abusivo de Substancias Psicossocial; e palestrante nacional da Política da População em Situação de Rua.

Em março de 2015 esteve no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), com a temática “a voz e a experiência de quem sabe o que é não ter direitos”. No ano seguinte recebeu pela câmara de Vereadores de Salvador o título Cidadã soteropolitana por iniciativa da então vereadora Vânia Galvão (PT) e no mesmo ano a Medalha Zumbi dos Palmares solicitada pelo vereador Silvio Humberto (PSB).

Em nota o Ministério dos Direitos Humanos afirma “Lúcia foi uma referência na defesa e na luta pela garantia dos direitos humanos da população em situação de rua e foi homenageada com Prêmio de Direitos Humanos em 2013. Sua garra e sensibilidade foram inspiradoras para seus pares, assim como para os demais militantes e trabalhadores da causa da população em situação de rua”.

O velório aconteceu das 11h:30min da manhã às 15h:30min de hoje na sede do Movimento. Às 13 horas o Vigário Provincial Frei Sergio Moura, OFM presidiu a Missa de corpo presente, onde participou o esposo de Lúcia o Senhor Edson Santos, familiares, colaboradores e seus filhos da rua, como assim chamava os.  Em seguida foi o sepultamento no cemitério Campo Santo em Salvador

Quando residia nas ruas lhe chamavam de “advogada dos maloqueiros” por saber defender os jovens diante da polícia, ela carregava isso com muita alegria, afirmam seus amigos próximos.

 

‘Existem dores na rua, mas também existem luzes na rua.

Existe muita gente boa na rua,

que a única coisa que falta é uma porta aberta”. 

 (Maria Lucia Santos Pereira)