,

DIA MUNDIAL DA ÁGUA: FRANCISCANAS E FRANCISCANOS EM DEFESA DAS ÁGUAS

Franciscanos estiveram presentes no Fórum Alternativo Mundial da Água, acontecido de 17 a 22 de março, em Brasília, em vista da “água como direito e não mera mercadoria”. O Fórum Alternativo Mundial da Água, o FAMA, tem acontecido em contraponto ao Fórum promovido pelas corporações, este último com a finalidade da privatização e mercantilização da água, em prejuízo das populações, especialmente dos mais pobres.

 

 

O Fórum das corporações, em sua 8ª edição, ocorre também nestes dias em Brasília. O FAMA o questiona em seus debates e conclusões que geram mais devastação, desmatamento e poluição, bem como exclui a milhares do acesso à água potável e limpa, e do acesso a serviços de saneamento com qualidade. Desse modo, uma delegação de irmãs e irmãos da OFS, JUFRA, OFM, OFMCap, irmãs de diversas congregações participou do FAMA, desde sua preparação e nesta semana intensa, junto com mais dezenas de movimentos sociais, pastorais, entidades, sindicatos e outros.
De modo específico, o Serviço Interfranciscano de Justiça, Paz e Ecologia (SINFRAJUPE) participou com outras entidades da organização da atividade autogestionada “água como bem comum – estratégias e resistências frente à mercantilização” no dia 18/3 (UNB). Dia 19/3, a delegação realizou uma reunião na Igreja dos Capuchinhos em vista de se organizar para as próximas atividades.

 

 

E, de modo geral, a delegação participou das atividades autogestionadas dias 18 e 19/3 (UNB) e de 19-21/3 no Parque da Cidade, onde o FAMA aconteceu com diversas plenárias e assembleias populares. Finalizando no dia 22/3, Dia Mundial da Água, com uma marcha no centro de Brasília, visibilizando com milhares de manifestantes que “água é um direito, não mercadoria”, direito dos povos, dos pobres e direito de todos seres vivos, e não mera fonte de lucros às grandes corporações, que vem destruir, devastar e explorar a natureza e as populações!
Assim, os franciscanos reafirmam que a espiritualidade é uma força propulsora que nos agrega e direciona ao meio dos “pobres desta terra”, questionando-nos enquanto cidadãs e cidadãos e nos servindo de inspiração na defesa da Casa Comum.